sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Relações Humanas - Natal

Os Contrastes da Noite de Natal
(Autora: Milla Pereira)

            Há dois mil e tantos anos atrás nasceu, neste mesmo mundo, uma criança. Ninguém, nem mesmo Ele, poderia imaginar o que o esperava, o que lhe ditaria seu destino como Homem, vivendo neste Planeta. Um bebê como todos os outros que estão nascendo hoje em dia. Foi um bebê amamentado, por sua mãe, como outro qualquer, que o tomava no colo dava-lhe o peito, com o carinho de Mãe! Chorava, fazia manhã, quando precisava ser trocado, ou quando tinha sono, sede, fome! Gosto de admirar as luzes, a cidade toda enfeitada, ruas iluminadas, coloridas, os troncos das árvores que mais parecem uma cachoeira de brilhos! Aí eu fico observando a correria das pessoas, a compulsão exacerbada pelas compras, casais discutindo sobre o que compra.
            Chega o dia esperado!
            A árvore rodeada de presentes, que serão distribuídos só à meia-noite, e uma ceia maravilhosa na mesa! Na verdade, em nenhum momento da festa, ninguém se lembrou do verdadeiro Espírito de Natal! Não fizeram uma prece de agradecimento por tudo o que puderam usufruir naquela noite e, muito menos, se lembraram do Aniversariante! E, do outro lado da cidade, principalmente nos grandes centros, embaixo dos viadutos, nas portas de lojas fechadas, enroladas em um cobertor sujo e malcheiroso, famílias inteiras: Pai, mãe, filhos (no mínimo três), o cachorro, a vizinhança que se juntou ao grupo. Famílias sem nome, sem identidade, totalmente excluídas que, muitas vezes, não conseguiram nem um pão para dividirem entre eles, filhos chorando de fome. Uma fogueira de papelão, acesa ao lado, a única luz do ambiente aberto e sem nenhuma segurança e conforto. Eles pensam também! Têm raciocínio! Arrependem-se, talvez, de terem deixado sua terra, onde a fome também estava presente, mas que, pelo menos, estariam com suas famílias! Para eles também é Noite de Natal.
              Só que não tem ceia, nem presentes. Só tristeza nos olhos daquelas crianças! Às vezes, a sorte os procura, e passa alguém caridoso, alguma Entidade, uma ONG, que se lembra de levar um pouco de alimento e alegria àqueles corações... E, talvez, quem sabe, ali naquele ambiente que melhor se assemelha ao local do nascimento de Jesus, Ele seja lembrado, naquela noite! De Alguém que sacrificou sua Vida, o Bem mais precioso que nos é concedido, para que entendêssemos a mensagem de Paz, Amor, Perdão, Caridade e desprendimento de bens materiais, que Ele quis nos passar! ...
              Será que, ao longo desses anos todos, de festas e comemorações, compras e trocas de presentes, alguma vez, por um minuto que seja...alguém se lembrou disso? Espero que sim, em algum lugar, pois, se assim não fosse, a minha esperança e crença nos seres humanos já não existiria mais! ...

Com base na leitura do texto e, de acordo com seus conhecimentos, resolvas às questões.


1-  A autora do texto: Milla Pereira, mostra sua indignação quanto ao pensamento da maioria das pessoas sobre:
a)  A fome e a miséria no mundo.
b)  A forma como muitas pessoas celebram o Natal.
c)  A necessidade de mais presentes no natal.
d)  As comemorações de fim de ano.

2-  No trecho: “Foi um bebê amamentado, por sua mãe, como outro qualquer, que o tomava no colo dava-lhe o peito, com o carinho de Mãe!” (Linha 6), a autora se refere a quem?
a)   ao Papai Noel.
b)   Ao Menino Jesus.
c)   Aos discípulos.
d)   Às famílias desamparadas do mundo.

3-  Infelizmente, muitas pessoas, compreendem que o Natal está relacionado principalmente:
a)   à compulsão exacerbada pelas compras, ganhar e dar presentes.
b)   ao nascimento do Menino Jesus.
c)   à violência nas grandes cidades.
d)   à união e respeito ao próximo.

4-  Em: “A árvore rodeada de presentes, que serão distribuídos só à meia-noite, e uma ceia maravilhosa na mesa! Na verdade, em nenhum momento da festa, ninguém se lembrou do verdadeiro Espírito de Natal! Não fizeram uma prece de agradecimento por tudo o que puderam usufruir naquela noite e, muito menos, se lembraram do Aniversariante.”
·    A quem a autora se refere ao citar a palavra: Aniversariante?
a)   As pessoas menos favorecidas.
b)   Ao Pai que mora nas ruas.
c)   A Jesus Cristo.
d)   Aos discípulos.

5-  Em qual ambiente a autora do texto cita que, talvez seria um local que as pessoas lembrem mais Daquele sacrificou sua Vida por nós?
a)   nas lindas ceias de natal.
b)   nas lojas de presentes.
c)   nas ruas movimentadas.
d)   embaixo dos viadutos.

6-  Ao sacrificar Sua Vida por nós, Jesus nos quis passar a verdadeira mensagem de:
a)   Paz, Amor, Perdão, Caridade e desprendimento de bens materiais.
b)   Compromisso em presentear as pessoas nessa época do ano.
c)   Comemorar o Natal com muito brilho, comidas e bens materiais.
d)   Orar pelas pessoas apenas no período natalino.

è TEXTO PARA RESPONDER AS QUESTÕES 7 À 10. 
O Natal é uma data em que comemoramos o nascimento de Jesus Cristo. Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. Foi somente no século IV que o 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial de comemoração. Na Roma Antiga, o 25 de dezembro era a data em que os romanos comemoravam o início do inverno. Portanto, acredita-se que haja uma relação deste fato com a oficialização da comemoração do Natal. As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois este foi o tempo que levou para os três reis Magos chegarem até a cidade de Belém e entregarem os presentes (ouro, mirra e incenso) ao menino Jesus. Do ponto de vista cronológico, o Natal é uma data de grande importância para o Ocidente, pois marca o ano 1

7-   O texto refere-se, principalmente:
a)     sobre a história do Natal.
b)     sobre o nascimento de Jesus.
c)     sobre o início do inverno em Roma.
d)     os presentes de natal.


8-   Atualmente as comemorações de natal acontecem em dois dias (24 e 25 de dezembro), porém, as antigas comemorações de Natal costumavam durar quanto tempo?
a)     1 mês.
b)     2 dias.
c)     12 dias.
d)     1 ano.

9-   Em que época o Natal foi estabelecido para ser comemorado no dia 25 do mês dezembro?
a)     no século IV.
b)     no ano IV.
c)     no século VI.
d)     no ano 2000.
  
10- Do ponto de vista cronológico, o Natal é uma data de grande importância para o Ocidente, pois...
a)     Marca o início da estação do ano mais importante: o inverno.
b)     Refere-se ao surgimento da vida no planeta.
c)     Marca o ano 1 da nossa História.

d)     Marca o início do século XXI.

História - 7º ano - Novembro - 2017

1. Quais eram as principais características da economia açucareira? Indique as alternativas corretas.
a) Pequenas propriedades, com produção agrícola diversificada.
b) Emprego preferencial de trabalhadores livres.
c) Produção voltada para a exportação.
d) Predomínio de mão de obra escrava.
e) Grandes propriedades monocultoras.

2. Indique a que cada descrição se refere:
a) Unidade produtora de açúcar, incluindo as terras cultivadas, os locais de moradia, a moenda e outras instalações. (________________)
b) Moradia do senhor de engenho e de alguns escravos domésticos. (____________________)
c) Instalação mais importante da unidade produtora. Ali a cana era moída para extração do caldo, que depois era levado para a caldeira e para a casa de purgar. (______________________________)
d) Moradia dos escravos. (___________________)

3. Qual a relação entre a economia açucareira e o tráfico de escravos?

4. A chamada Guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco, em 1710, deveu-se:
a) ao surgimento de um sentimento nativista brasileiro, em oposição aos colonizadores portugueses.
b) ao orgulho ferido dos habitantes da vila de Olinda, menosprezados pelos portugueses.
c) ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e à aristocracia rural de Olinda pelo controle da mão de obra escrava.
d) ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e a aristocracia rural de Olinda, cujas relações comerciais eram, respectivamente, de credores e devedores.

5. No Brasil colônia, a pecuária teve um papel decisivo na
a) ocupação das áreas litorâneas
b) expulsão do assalariado do campo
c) formação e exploração dos minifúndios
d) expansão para o interior

6. São características da colonização portuguesa na América:
a) exploração de recursos minerais, utilização do trabalho livre e predominância da pequena propriedade.
b) realização do pacto colonial, emprego da mão de obra escrava e predomínio da monocultura.
c) divisão da metrópole em lotes de iguais proporções, dispersão entre os núcleos coloniais e comercialização do café.
d) divisão do território brasileiro, exploração familiar da terra e ênfase na implantação de manufaturas.

7. No Brasil colonial, eram produzidos muitos outros gêneros, tais como:
a) milho, feijão e trigo.
b) trigo, mandioca, arroz, fumo, hortaliças e frutas tropicais.
c) fumo, algodão, cacau, castanha-do-pará, couro, carne, salsa, entre outros.
d) cravo-da-índia, castanha-do-pará, algodão, banana, carne e trigo.

8. Ao decidir colonizar as terras brasileiras, o rei de Portugal, D. João III, precisou tomar algumas decisões. Uma delas, foi escolher o que produzir.
Aponte a alternativa que indica qual produto foi escolhido e as razões dessa decisão.
a) o café, devido a praticidade na plantação e na colheita do produto.
b) o algodão, pois é um produto nativo da América e bastante conhecido pelos indígenas.
c) o fumo foi o produto escolhido, planta conhecida pelos indígenas, o que favorecia a produção em grande escala.
d) o produto escolhido foi o açúcar de cana e uma das razões era que o solo e o clima do litoral nordestino eram favoráveis ao cultivo da cana.

9. Observe a imagem abaixo e escreva a informação a que se refere cada numeração no desenho.
Engenho de Açúcar
1- ­­­­­­­­­­­­­__________________
2- capela
3- ______________
4- ______________
5- moenda
6- fornalha
7- cozimento do caldo
8- casa de purgar
9- roça
10- moradia trabalhadores livres
11- ­­­­­­­_______________
12- roça dos escravos
13- transporte de cana
14- _________________________________


10. A administração de Maurício de Nassau, no Brasil Holandês, foi importante, pois, entre outras realizações:
a) eliminou as divergências existentes com os representantes da Companhia das Índias Ocidentais.
b) criou condições para que a Reforma Luterana se afirmasse no Nordeste.
c) promoveu a efetiva consolidação do sistema de produção açucareira.*
d) integrou o sistema econômico baiano ao de Pernambuco.

11. Foram, respectivamente, fatores na ocupação holandesa no Nordeste do Brasil e na sua posterior expulsão:
a) o envolvimento da Holanda no tráfico de escravos e os desentendimentos entre Maurício de Nassau e a Companhia das Índias Ocidentais.
b) a participação da Holanda na economia do açúcar e o endividamento dos senhores de engenho com a Companhia das Índias Ocidentais. *
c) o interesse da Holanda na economia do ouro e a resistência e não aceitação do domínio estrangeiro pela população.
d) a tentativa da Holanda em monopolizar o comércio colonial e o fim da dominação espanhola em Portugal.




Gabarito:
1 – Resposta: C, D e E.
2 – RESPOSTAS: Engenho. - Casa-grande. - Moenda ou casa de engenho. - Senzala.
3 –  SUGESTÃO DE RESPOSTA: A produção de açúcar no Brasil colonial era feita com o uso de mão de obra escrava. Assim, quanto mais a produção se desenvolvia, mais intenso era o tráfico de escravos na África, onde esse comércio gerava lucros elevados.
4 –  d
5 – d
6 – b
7 – c
8 – d
9 – RESPOSTAS:
1- casa-grande           4- moinho
3- senzala                   11- canavial
14- transporte de lenha para a fornalha
10 – c
11 – b


História 6º ano - novembro 2017

1. “Os ... eram todos os povos que viviam além das fronteiras do Império Romano e não falavam o latim. Possuíam hábitos diferentes, pouco condizentes com os costumes romanos. Após um longo período de convivência ajudaram a destruir a unidade do império por meio de sucessivas e violentas invasões”. O texto se refere aos:
a) bizantinos
b) otomanos
c) cartagineses
d) bárbaros

2. Assinale a alternativa correta. Qual era a situação do cristianismo, no início de sua atuação como religião organizada, no interior do Império Romano?
a) Era aceito e estimulado entre os romanos, de tal maneira que a religião propagou-se para a região da Palestina.
b) Era tratado com naturalidade, uma vez que as autoridades pregavam a liberdade religiosa entre os romanos.
c) Era considerado um culto religioso de elite, por isso era praticado apenas pelos patrícios e foi ignorado pelos plebeus e escravos.
d) Era hostilizado e perseguido pelas autoridades romanas, que viam em sua crença uma ameaça à ordem estabelecida.

3. O que foi a política do pão e circo, implementada pelo imperador Otávio Augusto (27 a.C.-14 d.C.) em Roma?

4. A imagem acima trata-se de um aqueduto romano construído entre 97-117. Depois de observar atentamente a imagem, registre qual a importância desses tipos de construções.

5. Sobre a ruralização da economia ocorrida durante a crise do Império Romano, podemos afirmar que:
a) foi consequência da crise econômica e da insegurança provocada pelas invasões dos bárbaros.
b) foi a causa principal da falta de escravos.
c) proporcionou ao Estado a oportunidade de cobrar mais eficientemente os impostos.
d) incentivou o crescimento do comércio.

6. No Império Bizantino, a política era ligada à religião. O imperador era considerado...
a) o representante principal do povo romano.
b) o representante de Deus na Terra.
c) um simples cidadão bizantino.
d) um dos responsáveis pela construção de templos religiosos.

7. O império fundado pelos romanos desapareceu, mas algumas de suas criações são decisivas para compreender o mundo em que vivemos.
São exemplos dessas criações:
a) A língua, a Engenharia e o Direito.
b) A religião e o comércio.
c) As construções e as grandes navegações.
d) A política e Medicina.

8. Observe a imagem abaixo:
 
A imagem é um mosaico, uma das principais características artísticas da civilização bizantina. Através dela também é possível perceber outra característica do Império Bizantino, que é:
a) a teocracia, o caráter despótico do imperador associado à sua influência política.
b) a burocracia, que controlava o poder político do Estado, segundando a figura do Imperador.
c) a cleptocracia, a corrupção utilizada pelos Imperadores para manter seu poder.
d) a plutocracia, o poder dos homens ricos que conseguiam subjugar inclusive o poder religioso, colocando-se acima de Cristo.

9. Explique como funcionava a relação de trabalho camada de colonato.

10. Após o governo de Justiniano, o Império Bizantino começou a declinar; esse processo, no entanto, não foi contínuo. Explique o que ocorreu entre os séculos IX e XI nesse Império.

GABARITO:
1 – D
2 – D
3 - SUGESTÃO DE RESPOSTA: Como havia muitas pessoas sem trabalho ou meios de sobrevivência em Roma, naquele período, Otávio Augusto oferecia trigo e azeite a preços mais baixos e espetáculos grandiosos, como jogos e lutas. Essa forma de conquistar o apoio da população mais pobre, apaziguando os ânimos e possíveis rebeliões, ficou conhecida como política do pão e circo.
4 - SUGESTÃO DE RESPOSTA: São canais que servem ao transporte de água que, após ter sido recolhida em nascentes e poços, meio do qual os romanos transportavam água para abastecer as cidades.
5 – A
6 – B
7 – A
8 – A
9 - SUGESTÃO DE RESPOSTA: No campo as terras cultiváveis estavam nas mãos de grandes proprietários e os pobres que para lá foram, passaram a trabalhar para eles na condição de colonos. O colono era um trabalhador que cultivava um pedaço de terra do proprietário e, em troca, entregava a ele uma parte da colheita como pagamento pelo uso da terra.

10 - SUGESTÃO DE RESPOSTA: Entre esses séculos, o Império Bizantino viveu um período de prosperidade: reconquistou as terras que havia perdido para os árabes, retomou o controle sobre o Mar Mediterrâneo e sua economia voltou a crescer.